28 de abril de 2009

GIORGIO DE CHIRICO - Pintura Metafísica





Giorgio De Chirico (1888 -1978). Nasceu em Vólos, Grécia e faleceu em Roma, Itália. Criador da pintura metafísica, estudou em Munique onde sofreu influência de Böcklin e Kliger. Esta pintura caracteriza-se por imagens misteriosas, ilógicas e sugestões de alucinações, conseguidas com efeitos de um uso típico da luz e da perspectiva. É a negação do real. As figuras são solitárias, misteriosas num ambiente sempre melancólico.


A figura humana é meio homem, meio estátua. Colunas, torres, praças, monumentos neoclássicos, chaminés de fábricas são obras que aparecem lá por 1909-1910, na Itália, criando inquietude e mostrando espaços vazios e sombras ilógicas.


No ano de 1915, De Chirico foi convocado para as Forças Armadas e mandado à Ferrara, sofrendo um esgotamento nervoso. Em 1917 conheceu Carrá no hospital de campanha e fundaram, juntos, um movimento, o da pintura metafísica.


Opondo-se a algumas tendências de vanguarda do século XX, De Chirico sofreu influência da arte do passado, principalmente o período do Renascimento Italiano. De Chirico passou sua juventude na Grécia e Itália. E, foi em Florença que foi influenciado pelas obras de Giotto (1267-1337) e pela pintura toscana clássica, criando perspectivas e arcos.


O movimento não durou muito, embora De Chirico tenha sido aclamado como precursor pelos surrealistas. Não levou muito tempo para negar toda sua obra anterior e tomar posição contra a arte moderna.

Na década de 20 pintou suas obras mais significativas, uma série de figuras de cavalos em praias irreais, porém tornou-se repetitivo e obcecado pelo refinamento da técnica.

No Brasil, podemos notar influência De Chirico nas obras de Hugo Adami (1899-1999), Tarsila do Amaral (1886-1973), Di Cavalcanti (1897-1976), Candido Portinari (1903-1962) e Milton Dacosta (1915-1988). Ainda, na fase metafísica, Iberê Camargo (1914-1994), estuda com De Chirico.

O quadro ‘O Enigma de um Dia’ – 1914 -, foi um referencial do surrealismo nos anos de 1924 a 1935. Este quadro esteve, durante esse período no apartamento de André Breton, o pai do movimento surrealista.

Hector and Andromache - 1917



Piazza d'Italia


Édipo e la Sfinge / 1968


Mais de Chirico, neste blog: aqui.

9 comentários:

  1. Olá Tais.
    Faz tempo que não passava por aqui. Como trabalho numa instituição ligada à arte, é sempre um prazer ler as tuas explicações sobre os sempre imcompreendidos artistas que tentavam inovar na sua arte, criando, como tu dizes, inquietude entre os seus pares.
    Beijos
    Victor Gil

    ResponderExcluir
  2. Engraçado que a arte é uma faceta que apreciamos nos outros, então o que a arte surreal significa para a nossa vida?

    Será o nosso sonho, o nosso inconciente, ou outro coisa?

    Fique com Deus, menina Tais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Chapeau! Que postagem magnífica!!!!!!!!!! Obrigado.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Olá Taís!
    Adorei a postagem, até porque o pintor De Chirico, depois de Salvador Dali, pra mim é o melhor...
    Trabalhar com o irreal, com o que talvez não tenha significado, com os sonhos que muitas vezes nos revelam tanto, outras vezes em questão de segundos os perdemos, é fantástico! Por isso o admiro, por que pintura é isso, pois por mais que nós artistas tentemos explicar, nunca chegaremos ao todo, pois há mta coisa escondida, velada, e que até nossa própria alma desconhece.
    Parabéns pela escolha, e pelo magnífico jeito de lidar com as palavras.
    Bjs.
    Wal.

    ResponderExcluir
  5. LI uma passagem de seu blog em uma aula de história, gostei muito.

    Saudações de Ribeirão Preto.

    ResponderExcluir
  6. Tais Luso

    Nas visitas aqui, vão-se tomando notas de lições de arte e da sua história da nunca demais pugnar por enriquecer a cultura geral.
    Obrigado!´

    Daniel

    ResponderExcluir
  7. Giorgio de Chirico
    Na pintura metafísica de Giorgio de Chirico, ele antecipa elementos que depois aparecem na pintura surrealista: onde vemos padrões arquitectónicos, grandes espaços nus, manequins anónimos e ambientes oníricos.
    Quando ele se instalou em Paris, onde estabelece fortes relações de amizade com Apollinaire.
    Entre as suas obras mais paradigmáticas há que citar O Regresso do Poeta, Retrato Premonitório de Apollinaire, A Conquista do Filósofo, Heitor e Andrómaca e as Musas Inquietantes.

    VIBREI COM SUA POSTAGEM DESTE GRANDE ARTISTA,
    SAUDOSAMENTE DE SUA ELEGANTE PESSOA,
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  8. Olá Tais

    Não conhecia este pintor e graças a si aumentei a minha "cultura artística". Encontro-lhe algumas semelhanças com certas obras de Dalí, o que não admira já que são os dois surrealistas.

    Aproveito para informar que tem um "miminho" no nosso blog. Gostaríamos que o colocasse aqui no seu como prova da nossa amizade e carinho. Encontra-se no final do post "Maio, mês das flores".

    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. “Amigo é coisa pra se guardar...” Como diz o poeta. Amiga Tais aqui de volta ao seu belo espaço para agradecer de coração sua gentileza em nos honrar com a sua visita. Saiba que muito nos fortalece, sua presença é sempre agradável e especial. Obrigado mesmo.... Apareça sempre lá! Confesso que admiro bastante o seu trabalho, parabéns pelo tema publicado “pintor De Chirico”, magnifica arte pintada, ótima escolha, belas imagens, precioso e interessante. "O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis". Fernando Pessoa. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Felicidades. Desejo uma semana repleta de realizações e de muito sucesso, muita paz, saúde, brilhe sempre, bênçãos, proteção e alegria. Que a luz divina oriente e ilumine o nosso caminhar... Um abraço fraterno.
    Valdemir Reis

    ResponderExcluir