9 de setembro de 2011

SURREALISMO

A Persistência da Memória / Dali

-  Tais Luso de Carvalho

O Surrealismo surgiu na França em 1924, um movimento, portanto, que nasceu entre as duas grandes guerras mundiais. Nessa época o mundo todo sofria as consequências da Primeira Guerra e sentia a tensão que preparava à Segunda.

Surgem a psicanálise e os escritos de Freud que fazia experiências com o sonho e com os sono hipnótico, procurando explorar o inconsciente, fazendo vir à tona, o sonho, o pesadelo, o maravilhoso. Grande parte de nossa alma estava submersa nas profundezas deste inconsciente. Os Surrealistas passaram a atribuir grande importância ao mundo dos sonhos.

Os estudos de Freud e as incertezas políticas criaram um clima favorável para uma arte que criticava a cultura europeia e a frágil condição humana diante de um mundo cada vez mais complexo.

O Movimento Surrealista não só se interessou pela arte pictórica, mas pela poesia, literatura e política. Sua origem surgiu juntamente com a publicação do Manifesto Surrealista de André Breton que foi seu animador, o seu teórico, e o seu chefe intransigente, até sua morte.

Sua influência se faz sentir em todas as formas artísticas modernas. Volta-se contra todas as formas de ordem lógica, moral e social. Proclama o poder absoluto do sonho, do instinto, do desejo e da revolta, apoiando-se na psicanálise.

Na pintura Surrealista os maiores nomes são Salvador Dali, Juan Miró, René Magritte, Giorgio De Chirico, Marx Ernst, Paul Delvaux, Ives Tanguy, Hans Arp entre outros tantos, como Frida Kahlo que não se dizia surrealista, mas sim realista de suas dores.

'Acredito na fusão desses dois estados – sonhos e realidade – aparentemente tão contraditórios, uma espécie de surrealidade absoluta' - explicava André Breton. Com isso ele assumiu a responsabilidade pelo nome que iria dar ao movimento.

Além de um mundo visível existiam muitas sensações reprimidas que seriam evocadas nos sonhos ou nos fenômenos alucinatórios. Isso tudo era partilhado por um grupo variado de artistas plásticos e escritores.

As manifestações absurdas e ilógicas, como imagens dos sonhos e das alucinações foram as que produziram as criações artísticas mais interessantes, mais fantásticas. 

Os surrealistas lançaram-se por variados caminhos à exploração do imaginário; não havia um imaginário doutrinal: dissidências, expulsões e ataques pessoais marcaram toda a história do movimento surrealista.
  
Segundo Dali, era preciso desacreditar da realidade e da lógica que rege a vida das pessoas

Dali, Magritte e outros surrealistas optaram por um estilo bem detalhado, revestindo a realidade de alucinações, de cenas que não faziam sentido.

As técnicas frottage e grattage  lhes permitiam criar estruturas abstratas que à primeira vista não representavam nada, mas que logo induziam a ver alguma coisa.   
Max Ernst era o tipo de artista que utilizava o princípio de entregar tudo ao acaso. Sendo um dos surrealistas mais ávidos por experiências, incluiu na sua pintura técnicas  imprevisíveis como o fronttage

Estes decalques e  colagens sobre superfícies irregulares eram alguns dos métodos utilizados  para explorar  potencialidades inconscientes.

O Império das Luzes / René Magritte

Indefinido / Ives Tanguy
The Painter's Family / De Chirico
Duas crianças ameaçadas por um Nightingale / Max Ernst
Miró
Abraço amoroso / Frida Kahlo
Card Trick / Andre Masson

Mais obras Surrealistas: aqui
fontes: 
História da Pintura  
História da Arte
Oxford