10 de maio de 2010

CAMILLE CLAUDEL


 - Tais Luso de Carvalho

Camille nasceu em 1864 / Fere-em-Tardenois, França.
Em 1881, a jovem matriculou-se na Académie Colarossi e logo dividiu um atelier com o escultor francês Alfred Boucher. Conheceu, também, o escultor Auguste Rodin no começo da década de 1880, tornando-se sua aluna, amante e modelo.

Sua inspiração foram as pessoas e a sensualidade do corpo. Vemos em suas obras grande influência de Rodin. O que a princípio foi fonte inspiradora, acabou tornando-se sufocante. Alguns de seus trabalhos, por serem considerados muito sensuais, foram rejeitados, agravando sua instabilidade mental, numa época de muita conturbação em sua vida sentimental.

Sua obra Maturidade, mostra traços vigorosos, semelhantes aos de Rodin. Tanto em sua obra como em sua vida, Camille revela um grande sofrimento.
.

Apesar deste amor Camille/Rodin ter durado 10 anos, Rodin nunca abandonou seu primeiro amor – Rose Beuret – com a qual veio a casar-se em 1917. Quando ele retorna, em definitivo, ao seu antigo amor, Camille começa em decadência, fechando-se em seu estúdio e entregando-se a um obsessivo isolamento que a levou à pobreza física e aprofundando seu problema mental.

Seu sucesso está relacionado a Rodin até 1898, quando veio a separação. Em 1906, destrói parte de sua obra, tentando livrar-se da influência de Rodin, pois muitos acreditavam que suas obras eram trabalhadas por ele.

Vemos sua tentativa de distanciar-se de Rodin em La Valse e A Pequena Castelã. Após este distanciamento, que se dá em definitivo em 1898, surge a obra A idade Madura.


Apesar de ter tido, nesta época, duas grandes exposições, reconhecidas e com sucesso da crítica, Camille, encontrava-se doente demais, o que não lhe trouxe nenhum benefício. Já em 1905, achava que Rodin e outros estariam se apoderando de suas obras, invadindo sua casa para roubá-las.


Por ordem de sua mãe e de seu irmão, o poeta Paul Claudel, Camille foi internada num asilo de loucos, e um ano depois foi transferida para o hospital psiquiátrico, o qual permaneceu até sua morte.

Suas primeiras obras foram A Velha Helena e Paul aos treze anos. Também colaborou em obras de Rodin, como Os Portões do Inferno e Burgueses de Calais.

Faleceu em 1943 em Montfavet / França, após 30 anos internada.

37 comentários:

  1. Tais, que bom visitar seu blog!

    E Camille Claudel, uma história tão triste, que me desperta sempre uma emoção estranha, de muita melancolia.
    Acho que é porque não teve um final feliz.
    Essas vidas trágicas que nunca encontram paz e harmonia, me dão um certo medo e angústia. A vida dela foi muito atormentada. Fico pensando como deve ser terrível vir ao mundo e não poder experimentar a felicidade.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Tais,
    Quanto sofrimento para uma única pessoa!!!História muito triste da Camille, lendo sua biografia entendi perfeitamente seu sofrimento, uma mulher entende melhor o sofrimento de outra. Hoje existe muito preconceito, poso imaginar naquela época, então!
    Mais uma vez estou impressionada com essa biografia, rica em aprendizado e valores. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Uma vida triste e uma obra linda.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. E estranho pensar que o amor posso tanto motivar como destruir as pessoas...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Tais,

    Seu blog sempre é uma beleza em conteúdo.

    Uma dúvida, é certo afirmar que muitas obras de Rodin foram talhadas por Claudel? Parte da fama de Rodin deveria ser direcionado a ela, ou é apenas especulação?

    Beijos,


    Rafa

    ResponderExcluir
  6. Assisti um filme há muito tempo sobre a vida dela, mas não consigo lembrar o nome: deves saber, não? Gostei muito!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Te ler cultura pura é,entre ternura e sensibilidade tua!

    Uma semana boa e de saúde repleta,entre os seus mais amados!

    viva la Vida!

    smaaackkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. As obras de Camille Claudel acho-as tão maravilhosas na relação inversa da sua vida infeliz.
    Penso que o que destrói mais depressa uma vida é...a falta de amor!
    Como sempre os teus posts...são pura ARTE!
    Beijo
    Graça

    ResponderExcluir
  9. Quanta amargura para uma mulher tão talentosa. O amor, sentimento tão impar, infelizmente tem também o poder de destruir.
    Très triste!

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Bela lição de História D'arte..
    Da intimidade, não sabia nada.
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Ela não foi feliz em sua vida, mas deixou uma obra magnífica, para nossa felicidade!
    Bjooo!

    ResponderExcluir
  13. Passei para te desejar uma belissimo fim de semana...com muito sol e gostosinho!!
    beijo
    Graça

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, lindona!
    Voltei! rs
    Que o seu domingo seja muito gostoso e cheio de paz!
    Fico muito feliz quando você visita os meus blogs. Você pode acompanhar as atualizações e escolher aqui, dentre os vinte, qual o tema que mais lhe interessa:
    http://blogsdasoniasilvino.blogspot.com. Ou... visitar todos e me fazer uma blogueira imensamente feliz.
    Blogar me dá muito prazer. Visitar seu blog me dá muita satisfação, pois gosto das suas escolhas ao postar aqui. Receber as suas visitas é o maior presente para mim. Cada dia, ao ligar o notebook, espero sua visita ansiosamente, pois adoro você.
    BONS AMIGOS

    Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
    Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
    Amigo a gente sente!

    Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
    Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
    Amigo a gente entende!

    Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
    Porque amigo sofre e chora.
    Amigo não tem hora pra consolar!

    Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
    Porque amigo é a direção.
    Amigo é a base quando falta o chão!

    Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
    Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
    Ter amigos é a melhor cumplicidade!

    Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
    Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

    Machado de Assis
    -Bjkas, muuuuuuuitas!-

    ResponderExcluir
  15. Trinta anos internada ... uma vida interrompida, morte em vida! Que pena! mas era assim antigamente.
    Bom vir aqui.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Taís o teu blog é uma aula de cultura e aprendizado.
    Não "conhecia" a Camile.

    ResponderExcluir
  17. Linda história e obras.beijos,tudo de bom,nessa Poa chuvosa,chica

    ResponderExcluir
  18. Eu adoro artes...E saber sobre a vida das pessoas que esta por tras de belissimos trabalhos, como este, é melhor ainda.Gosteis muito do seu blog...

    Beijosss..
    Take Care :-)

    ResponderExcluir
  19. A arte e o amor, união belíssima que gera rebentos significativos e expressivos como os produzidos por Camille. As imagens postadas falam por si, revelam o que vai na alma de quem as produziu. É possível ver a dor, o desejo, o desespero, entre outros sentimentos.
    Estou escrevendo um texto sobre o amor e vc acaba de me ajudar a trazer mais um representante. Obrigada!

    Belo texto e ótimo conteúdo, como sempre.

    Abraços...

    ResponderExcluir
  20. Olha só que interessante, além de teimosa sou curiosa também e assim, logo que vi que mais uma amiga se juntava às outras minhas tantas seguidoras fui ver quem era e eis que encontro uma Taís rica, profunda,postando sobre a história das artes...me arrepiei porque tenho o livro de Camille Claudel aqui em casa assim como outros tantos tão preciosos..obrigada pelo rico conteúdo dessas páginas e como amaria saber que centenas de blogueiras passassem por aqui para apreciar esse momento cultural que ofereces a todas! parabéns com louvor!
    bjs Dolly

    ResponderExcluir
  21. Olá Tais

    É sempre um prazer passar por aqui.

    Vêem-se lindas imagens, lêem-se bons textos e aprende-se ou recorda-se aquilo que já julgavamos esquecido.

    Parabéns pelo post.

    Os amigos do Farol estão com muitas saudades de você. Não esquecemos que foi das nossas primeiras seguidoras e amigas.

    Beijinhos de Tétis, Argos e Poseidón

    ResponderExcluir
  22. Taís, passei para deixar uns beijinhos.

    A postagem é perfeita. Sempre aprendemos um pouquinho ao vir por aqui.

    ResponderExcluir
  23. A relação da arte e a dor.Assim Camille colocava em pedras sua alma sofrida,
    É trágico e belo.

    Obrigada

    Com carinho,

    Cris

    Apareça

    ResponderExcluir
  24. Texto muito bem escrito e atraente. É muito sutil a forma como apresenta a artista; é possível senti-la de forma muito imediata por suas palavras.
    Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir
  25. Assisti ao filme Camille Claudel há muitos anos. Lembro-me de que chorei muito, muito, parecia que tinha assumido aquela dor toda da personagem para mim.Um filme belíssimo, mas retratando uma vida-arte, aliás, sofrida é a vida de muitos artistas e não é sem motivo pela sensibilidade que carregam. Taís, gostaria de agradecer a ti o carinho que demonstras por mim e pelos meus textos, deixando sempre uma mensagem carinhosa nos meus blogs. Também quero te dizer que adoooooro o blog Das Artes, pois vejo que és uma artista engajada socialmente e ligada sentimentalmente aos problemas da humanidade. Moramos na mesma cidade, teria um grande prazer em conversar contigo pessoalmente. Meu celular é: 9720-1190 Sobre qualquer coisa que queiras conversar, liga-me, amiga. Abraços e beijos. Tânia

    ResponderExcluir
  26. TÂNIA MARQUES:

    Nossa... Tânia, não mereço tantas palavras bonitas... Não sabia que moravas aqui.
    É verdade, existem certos blogs que elegi, que me são caros. O engraçado é essa coisa virtual, que parece que não existe, e existe sim, mais do que imaginamos. Muitas vezes vejo, em outros blogs, amigas (os) virtuais, dando a maior força para outra que está em dificuldades, seja por um motivo ou por outro. Mas estão ali. E isto está presente, também, em minha vida. Sou solidária e recebo solidariedade.

    Agradeço muito, aqui e ao vivo, tuas palavras.
    Entrarei em contato.
    Meu carinho pra ti.Ainda vou escrever, lá no Porto, algo sobre isto.

    Tais

    ResponderExcluir
  27. Passei para deixar o meu bom dia, com amor e poesia:

    "Aos pássaros Deus deu o vôo e o canto, aos que amam Ele dá o sonho e o encanto. Quem ama de verdade não consegue voar,porém de tão leve espírito, chega até a flutuar"

    Valter Montani

    ResponderExcluir
  28. Já me falaram que o filme "Camille Claudel" é ótimo, mas ainda nao tive a oportunidade de ver. Abraço!

    ResponderExcluir
  29. Há movimentos e sentimentos nas obras de Camille. Talvez por sua própria vida.

    Com amizade,

    ResponderExcluir
  30. Camille Claudel tornou-se mais viva e interessante para mim a partir desse seu texto. Na síntese que faz, é possível percorrer a passos lentos e empolgados a vida da escultora levada a nossas casas através da excepcional obra cinematográfica de Bruno Nuytten. Você oferece um olhar que descortina a um tempo a vida, a obra e a dor que marcou a obra de Camille. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  31. Ver as obras de Camille é como tatear suas chagas...

    ResponderExcluir
  32. Fui à exposição das obras de Camille, quando estiveram no Rio de Janeiro. Porém, mais do que a história de uma artista plástica, a exposição contava uma história revoltantemente humana de mulher.
    Eliane F.C.Lima (http://conto-gotas.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  33. Merveilleuse Camille Claudel au destin si tragique... Un talent incroyable et si peu de reconnaissance !
    Belle artiste, belle personne...

    ResponderExcluir
  34. Anônimo02:14

    CAMILLE
    ( para Camille Claudel)

    Minha poesia chora o silêncio da sua ausência.
    Ela é quase nada diante da sua essência
    e dos amargos anos de paixão, solidão e loucura
    (decrépita tecelã da vida) que só se vê,
    quando a noite é muito escura.

    Sua ferida incurável não tinha ponteiro
    que indicasse o grau de seu desespero
    e a trajetória do véu do fronteiriço.
    Entre o abismo e o paraíso
    ficou no fio de algum lugar.

    Irremediável sua chaga,
    ninguém defendeu sua causa.
    Não havia remédio para essa úlcera.
    Seu amante lhe esqueceu,
    seus parentes lhe abandonaram.

    Em seu exílio, gemia de dores e espasmos.
    Engaiolaram seus vôos.
    Mas impossível foi proibir-lhe
    qualquer expressão maior
    de arte e desejo.

    Quando em sua arte me deleito,
    desnudo talvez, o que preferia esconder.
    Minhas mãos tateiam
    a forma e a beleza de suas esculturas.
    Exculpo seu corpo fraco e apagado
    na precisão de uma estátua perfeita.

    Minhas estátuas não são de mentiras.
    Seu espírito está dentro delas.
    Como posso compreender suas formas secretas,
    e traduzir o sentido exato e oculto
    dos seus pensamentos que criaram
    a perfeição de cada estátua?

    Mas, por momentos mágicos do tempo,
    permaneço atenta aos gestos doces
    que sua marreta pulverizou cada pedra;
    que sua insânia expressou nas formas
    do frio bronze de sua dor permanente.

    Eternizada na dureza do mármore,
    por você foi moldada com sabor de sangue.
    Agora, congelada num interminável tempo,
    seu relógio não volta a andar, minha irmã.

    No entanto, percebo a cada manhã,
    o ruído indiscreto do meu relógio a parar.
    O mundo inteiro arde nesta tarde, Camille,
    mas eu simplesmente prefiro,
    contemplar sua arte que nutre meu espírito
    e repercute no céu de minhas nuvens.

    Pedras partidas...
    em pó e cinzas consome-se a vida, querida.
    Porém, com cuidado, recolho todos os cacos
    e guardo-os no bolso do casaco,
    à espera de outro tempo.

    Regina Rousseau

    ResponderExcluir
  35. Quando vislumbro tudo isto,tenho a impressão de um santuário virtual...Aqui a arte passeia tão leve e nítida como as luzes de Monet

    ResponderExcluir
  36. Olá meeu nomee é Juliana e eu tenho 13 anoos estoou simplesmente obsecada pela história de camille claudel eu estava lendo um post no blog do caio fernando abreu e la ele postou um trecho da carta de camille para roudin que dizia assin existe sempre uma coisa ausente quando li essa frase algo me incomodou e começei a pesquisar loucamente a procura da carta completa ainda nn consegui a achar a carta maais nn consigoo descançar pensando na angustia dela e querendo sempre saber maais sobre ela e sobre sua vida conturbada quando li seu post fiquei ainda mais interesada na história dela nn vejo a hora de comprar os livros e filmes sobre ela algo esta me deixando angustiada sinto que enquanto eu nn sabeer tudo sobre ela eu nn poderei dormir em paz depois de leer un pouco sobre ela eu simplesmente fiquei obsecada e nn consigo para de pesquisar sobre ela meu paai diz que se eu continuar assin acabarei como ela louca e sozinha em uma vida infeliz e pertubadora.
    Parabéns pelo blog muito bom mesmo ;D

    ResponderExcluir
  37. Gosto de pensar em Camille Claudel como um espírito liberto de todas as dores que experimentou, sua genialidade está em suas obras para tornar nossas vidas mais felizes.
    Obrigada Camille, guerreira, teras oportunidades infinitas de experimentar amores sadios, fieis e verdadeiros!
    Admiro demais essa artista!

    ResponderExcluir

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SÃO POSTADOS NESTE BLOG,