8 de janeiro de 2012

ANTONIO PARREIRAS

Veleiros - 1912

- Tais Luso de Carvalho

Antonio Diogo da Silva Parreiras nasceu em Niterói, Estado do Rio de Janeiro, no ano de 1860. Ainda na infância, Parreiras estudou desenho com o Visconde do Canto, e em 1883 matriculou-se na Academia Imperial de Belas Artes. No ano seguinte abandonou a Academia para integrar-se ao grupo de alunos de Georg Grimm, como Castagneto, Caron, Garcia y Vasquez entre outros, tornando-se seu discípulo. Foi influenciado pelo impressionismo.


Incentivado, também, por Vitor Meireles, dedicou-se desde o início do século XX à pintura histórica: Proclamação da República de Piratini, Anchieta, Fundação de Niterói, Fundação do Rio de Janeiro, A Conquista do Amazonas. Recebeu numerosas encomendas oficiais, viajando por diversas vezes à França, onde manteve ateliê permanente em Paris.  Já em 1909 passou a interessar-se pelos nus, participando nos salões de arte francesa.

Em 1926, já consagrado como grande artista, publicou suas memórias com bastante sucesso literário. No princípio de 1930 voltou à pintura das paisagens, com a mesma dedicação do início de sua carreira.

Foi no ano de 1885 que inaugurou a sua primeira individual, e na sua própria residência, em Niterói. Em 1888 embarcou para Veneza onde estudou na Academia de Belas Artes, retornando ao Brasil no ano seguinte para participar da Exposição Geral de Belas Artes de 1890, a primeira da República recém proclamada, obtendo uma medalha de ouro e prêmios de aquisição (3 telas).

Em 1917 obteve a grande medalha de ouro e nesse mesmo ano foi contratado para a cadeira de Pintura de Paisagem na Escola Nacional de Belas Artes. Recebeu, também, medalha de ouro na Exposição Universal de Barcelona, no ano de 1929. várias de suas obras são casas ensolaradas, árvores e mata nativa, cores intensas.

Em 1953, na II Bienal de São Paulo, foram selecionadas 5 obras suas para participação na Exposição 'A Paisagem Brasileira até 1900'. Sua residência em Niterói foi transformada no Museu Antonio Parreiras no ano de 1941.

Parreiras foi um artista de incontestável talento, audacioso e impulsivo. Foi o maior pintor do cenário natural brasileiro e seus trabalhos foram expostos no Brasil e em diversos países da Europa. Foi um dos poucos artistas nacionais que viveu dos resultados de sua arte.

Faleceu em 17 de outubro de 1937, em sua residência de Niterói.
Sua casa, que virou Museu em 1940, em Niterói, abriga várias obras de outros artistas e seu grande acervo.

Casa de Margarida - 1891

Cesteiro - 1927
Ventania -

Arabotam - 1936

Amanhecer no Adriático - 1889

Fantasia - 1909 / Pinacoteca de S.Paulo

Terra Natal - 1923

Museu Antonio Parreiras
Área externa


Referências:
Bolsa de Arte / Rio de Janeiro - 2003
Museu Antonio Parreiras - Memória histórica do Museu Antônio Parreiras. Niterói 
(Cadernos de divulgaçao cultural do Museu Antônio Parreiras, 2). 
Enciclopédia  Itaú Cultural
PARREIRAS, Antônio. História de um pintor contada por ele mesmo: Brasil - França: 1881-1936.
Koogan Larousse.

16 comentários:

  1. Olá Taís,
    eu sempre gosto de suas crônicas e textos biográficos. Esta biografia tem para mim um significado muito especial: o museu Antonio Parreiras foi "minha casa" durante oito anos.
    Lá eu expus individualmente por duas vezes, fiz a curadoria de três grandes exposições coletivas reunindo os maiores artistas de Niterói. Eu também criei um curso de pintura que funcionou no museu durante seis anos, fiz palestras sobre a obra de Parreiras para professores da rede pública e me orgulho de ter uma obra incorporada ao acervo do museu.
    Parabéns por mais uma postagem de qualidade.
    Um abraço, Loyde manda beijos.

    ResponderExcluir
  2. Amigo Antonio:
    Todo comentário vindo de um artista de seu quilate, é uma honra e um incentivo.
    Escolhi postar o 'Veleiro'- como abertura da postagem -, em sua homenagem.
    Lembrei de suas 'Marinhas', cada uma mais linda...

    Beijos ao atelier!

    ResponderExcluir
  3. Belas pinturas, gostei principalmente do quadro "Ventania".

    ResponderExcluir
  4. Todo vez que venho te visitar, volto mais rica... Bjs

    ResponderExcluir
  5. como admirador eterno das artes posso dizer q seu blog é como um manual de inspiração...seguindo, se puder me dar uma força e seguir também eu ficaria grato...
    www.paullolenore.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. É sua amizade que desejo lembrar para sempre e estará sempre em meu coração,
    mantendo-nos aquecidos, fortalecidos e segura de que nunca estarei sozinha.
    E é assim que eu guardo você
    Minha linda Amizade.
    E é assim que eu quero guardar...
    Como alguém que estará longe, mas sempre lembrará de mim.
    Obrigada pelo carinho nesse um ano de Viagem comigo.
    Obrigada por estar do meu lado sempre sem notar meus defeitos
    me aceitando como sou.
    Sei que deixo muito a desejar em responder a sua visita
    mais tenho cada amigo e amiga no coração.
    Me perdoe por levar uma unica mensagem para visita
    infelizmente minhas mãos não ajuda .
    Porem me sinto feliz e recompensada por todos entender minha situação.
    Na postagem tem uma presente desse dia tão feliz para mim
    ficarei feliz em encontra-lo no seu blog.
    Obrigada ,Deus esteja com todos nos nessa jornada
    que Deus me permita estar contigo por muitos anos ainda.
    Beijos e carinhos.
    Evanir

    ResponderExcluir
  7. Belo texto. Os quadros são de uma riqueza cultura indescritível. Parabéns por respirar cultura, arte e tudo que eleva espírito para as mais ricas abstrações. Até Taís...

    ResponderExcluir
  8. Olá TAÍS, LINDA POSTAGEM , BELO TEXTO GOSTEI MUITO DO Cesteiro, maravilhoso parabéns, um ótimo 2012.

    ResponderExcluir
  9. Uma biografia de um pintor que não conhecia! Belissimas as suas telas, com cores fortes, cheias de vida.
    Não admira que a sua obra lhe tenha concedido , tambem materialmente,o seu modo de vida a par do sucesso que, continua inegável!
    Beijo amigo.
    Graça

    ResponderExcluir
  10. Querida amiga

    O bonito de tudo,
    é ver a obra
    sobreviver ao tempo.


    Que a chama da alegria
    esteja sempre acesa em ti.

    ResponderExcluir
  11. Muito,muito bom gosto. Parabéns,curti muito. Já pintei um pouco e gosto de desenhos, linhas. Estudei com um amigo e fiz alguns retratos, agora transportei isso para a literatura, acho que consigo passar num texto o quadro que imagino,talvez. Abç
    Camilo

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela postagem!

    ResponderExcluir
  13. Ta´s, nosso BRASIL é imenso em cultura e ARTISTAS como bem expõe aqui, nesta postagem.
    Lindas telas escolhidas!
    Grande abraço, minha amiga.

    Hoje tirei o dia para visitar os amigos queridos.

    ResponderExcluir
  14. Tais,
    Gostei muito de ter descoberto teu blog. Já adicionei aos meus favoritos. Adoro arte (tb pinto e escrevo, além de ser psicanalista e professor universitário...ufa! rs)
    Parabéns, grande abraço,
    Carlos Eduardo

    ResponderExcluir
  15. O Cesteiro fez-me lembrar de uma tela cujo nome escapa-me agora, do Almeida Jr.

    Não conhecia o pintor. Gostei das telas com temas variados.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  16. Um artista singular, que se manteve distante das tendências modernistas do início do século XX em prol de uma expressão mais pessoal. Gosto demais de seu trabalho.

    ResponderExcluir